15 janeiro 2014

Resenha de Cidades de Papel


Meu primeiro livro escrito por John Green.


http://1.bp.blogspot.com/-onXN5pTHTAE/UlcAyM1xJzI/AAAAAAAAB74/AfyVTR-voeQ/s1600/CidadesDePapel.jpg



Título: Cidades de Papel            
Título Original: Paper Towns
Autor: John Green
Editora: Intríseca
Páginas: 366
Ano: 2013

Sinopse: Em Cidades de Papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Resenha
Essa Resenha Contém Spoiler. 

Cidades de Papel é narrado em primeira pessoa por Quentin Jacobsen, confesso que prefiro narrações femininas, a mente dos homens é um cálculo sem solução para mim, difícil de resolver e compreender. 

Quentin é um cara inteligente e super normal que esta no último ano do ensino médio. Ele vive em Orlando, na Flórida. Quentin nutre uma paixão por sua vizinha, rebelde e destemida Margo Roth Spielgelman, apesar deles não se falarem desde os 12 anos. Em uma noite, Margo pula a janela de Quentin e o convida para juntos entrarem em uma grande aventura noturna. Margo apresenta a Quentin onze passos de uma missão que irá durar toda a madrugada. Mesmo com um pé atrás e com medo de algo der errado e comprometer todo o seu futuro já  desenhado, Quentin aceita ajudar a sua ex amiga.
  
Depois de uma noite divertida e cheias de trotes, Quentin volta para sua casa, imaginando que no dia seguinte, finalmente ele e Margo reatariam a antiga amizade, até que ele descobre que sua vizinha fugiu mais uma vez, e dessa vez talvez ela não volte nunca mais.

Assim, seguindo pistas que Margo deixou e com a ajuda de seus fiéis amigos, Ben e Radar, Quentin começa a tentar decifrar o enigma deixado por Margo sobre seu paradeiro.

Cidades de Papel, foi o primeiro livro que li de John Green, eu sei, deveria ter começado por A Culpa é das Estrelas, mas eu não estou em uma vibe muito boa para ler livros que vão me fazer chorar.
Continuando, gostei bastante do tipo de narração, no começo achei que iria ter algum tipo de problema por ser um ponto de vista masculino, mas me enganei totalmente. Quentin simplesmente tem uma mente brilhante, que é de fácil compreensão. A narrativa é simplesmente brilhante, mostrando adolescentes, apenas sendo adolescentes, sem nada de vampiros, anjos ou outros seres sobrenaturais. A noite de Quentin e Margo juntos foi uma das melhores narrações do livro, simplesmente perfeita e muito divertida. Os amigos de Quentin, Ben e Radar e até Lacey que se junta ao seu grupo, no meio do livro, são os melhores personagens do livro, quando esses quatro se juntam, é risada garantida.

Mas como vocês viram, eu não dei a pontuação máxima, simplesmente o tipo de narração é mudada drasticamente de "Cutindo a vida adoidado" para "O mistério de Margo Roth Spielgelman".
Quentin vira um obcecado pelo paradeiro de Margo, chega ser cansativo, pois ele não tem nenhum tipo de vinculo com ela, ele passa capitulos e capitulos lendo e relendo um poema chamado A Canção de Mim Mesmo, deixado por Margo como pista.
Com o passar do tempo, Margo me pareceu um pouco cruel, o tipo de pessoa que faz tudo por atenção, mesmo John tentando coloca-la como a "mocinha" e dando razões por trás de suas escolhas, ela não me convenceu.
Alguns capítulos também não me agradaram, a maioria deles foi Quentin em busca de pistas de Margo que não davam em lugar nenhum. No curto e grosso, 40% do livro é encheção de linguiça, ainda assim eu devo admitir que o livro me agradou em grande parte.

O final foi prático, frustrante e aceitável. O bom desse livro, e a razão pela nota quase máxima foi graças ao final. Quando Quentin, decide seguir sua vida ao em vez de seguir a vida de Margo foi o momento em que tive a minha opinião final sobre o livro. Ele escolhendo ser ele, foi o melhor momento, por que na maioria dos livro, os personagens principais são muito dependentes entre si. E Quentin nos mostrou que nós podemos ser felizes, seguindo nossos próprios caminho, sozinhos. Não considero um final triste, afinal, promessas foram feitas. Será que um dia Quentin e Margo ficaram juntos? Bom, isso vai da imaginação de cada um.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Participe e deixe se comentário! Ele é muito importante.
- Se você chegou até aqui não custa nada ler o post todo e dar uma opinião maior que só o tradicional " Gostei"
- Respondo todos os comentários e vou adorar visitar o seu blog caso deixe o endereço dele aqui.

Muito obrigada e volte sempre :)

Sou Adulta Agora - créditos

Tema Base por Butlariz